quinta-feira, 31 de maio de 2012

Apesar de Tudo






Apesar de Tudo



(Martha Medeiros)

Apesar de tudo, continuamos amando,
e este "apesar de tudo" cobre o infinito.
Esta frase do filósofo Cioran expressa a extensão
dos nossos obstáculos amorosos.

Apesar de termos acreditado na eternidade dos nossos sentimentos
e depois descobrirmos que nada mantém-se estável por muito tempo,
continuamos amando.

Apesar de termos sofrido noites inteiras por amores que não se
concretizaram ou que foram vagos ou pueris,
continuamos amando.

Apesar de termos sido rejeitados, apesar de o nosso amor
não ter sido suficiente para encantar o outro e fazê-lo permanecer ao nosso lado,
continuamos amando.

Apesar de todos os livros escritos, todas as sentenças filosóficas,
todas as análises terapêuticas e todos os exemplos de paixões falidas,
continuamos amando.

Apesar de não termos mais 15 anos e estarmos numa idade
em que os outros acreditam que o nosso coração envelheceu,
continuamos amando.

Apesar de a pessoa que a gente ama sentir por nós um amor de amigo,
um amor fraterno, um amor camarada que nada faz lembrar
o amor ardente que a gente deseja e sonha,
continuamos amando.

Apesar de a gente saber que o amor acaba,
que o amor talvez nem seja pelo outro,
mas apenas uma projeção do amor que a gente tem por nós mesmos,
continuamos amando.

Apesar da falta de grana, das desilusões com a política,
do cansaço no final do dia, dos projetos que não foram adiante,
do tempo que nos falta e do medo que nos sobra,
continuamos amando.

Apesar da chuva que não permite o passeio de mãos dadas,
do espaço compartilhado que não permite privacidade,
da desaprovação dos que nada têm a ver com o assunto,
continuamos amando.

Infinitamente,
apesar de tudo e todos e apesar de nós mesmos,
continuamos amando ... 

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Os Versos que te dou



OS VERSOS QUE TE DOU

Ouve estes versos que te dou, eu
os fiz hoje que sinto o coração contente
enquanto teu amor for meu somente,
eu farei versos... e serei feliz...

E hei de fazê-los pela vida afora,
versos de sonho e de amor, e hei depois
relembrar o passado de nós dois...
esse passado que começa agora...

Estes versos repletos de ternura são
versos meus, mas que são teus, também...
Sozinha, hás de escutá-los sem ninguém que
possa perturbar vossa ventura...

Quando o tempo branquear os teus cabelos
hás de um dia mais tarde, revivê-los nas
lembranças que a vida não desfez...

E ao lê-los... com saudade em tua dor...
hás de rever, chorando, o nosso amor,
hás de lembrar, também, de quem os fez...

Se nesse tempo eu já tiver partido e
outros versos quiseres, teu pedido deixa
ao lado da cruz para onde eu vou...

Quando lá novamente, então tu fores,
pode colher do chão todas as flores, pois
são
os versos de amor que ainda te dou.
( JG de Araújo Jorge ) 

sábado, 26 de maio de 2012

Ah! O Amor




E quanto ao amor?
Ah, o amor
Não basta termos alguém com quem podemos conversar,
dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando.
Isso é pensar pequeno.
Queremos AMOR todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente
apaixonados, queremos ser surpreendidos por
declarações e presentes inesperados, queremos um
jantar á luz de velas de segunda a domingo,
queremos sexo selvagem e diário, queremos
ser felizes assim, e não de outro jeito.
É isso que dá ver tanta televisão.
Simplesmente esquecemos de tentar
ser felizes de uma forma mais realista.

(Mário Quintana)

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Cuida






C U I D A



"Cuida da imagem que você anda deixando por onde passa.
Que lembrança você anda gravando nas pessoas?
Você é o símbolo da alegria, da bondade, da esperança ou vive amargurada e passa para todo mundo a dor, a revolta, o desespero, a falta de esperanças?
Por onde você passa você fala de realizações, de boas energias, tem sempre uma boa notícia, uma palavra amiga, um gesto de esperança, ou leva contigo a reclamação, a agonia, o gemido constante, os olhos sempre úmidos de lamentação?
Onde você chega as pessoas se aproximam para cumprimentar e querem te abraçar com festa ou se afastam com mil desculpas pela sua negatividade?
Se alguém te der um espelho agora, seu rosto vai mostrar a alegria de quem tem a certeza da vitória, ou a tristeza de quem se acostumou com a dor e a derrota?
Seu rosto é a expressão de quem espera alguém ou alguma coisa para ser feliz, ou de quem já vive feliz com o que tem?
Marca a tua caminhada pela Terra com marcas que nunca se apagam, escreve com o coração tudo o que fizer, assim, as dores serão passageiras rápidas na tua vida.
Carrega em você a semente da alegria e distribua para todos que se aproximarem de você, assim nunca te faltarão amigos dispostos a dividir o peso da sua jornada.
Conquiste amigos em todos os lugares por onde andar e conquistará um tesouro eterno, que nenhum ouro poderá pagar.
Que a sua marca de vida seja a alegria, assim, deixarás para sempre, uma lembrança suave de quem será amado para sempre."
(Paulo Roberto Gaefke) 

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Talvez Deus me Entendesse




Se tu chegasses e me dissesses -
vamos...
E as tuas mãos às minhas estendesses
Esse gesto talvez eu não entendesse
Porque jamais sonhei que o alcançasse
E... Se suavemente os teus olhos me olhassem
E só ternura neles eu visse
Neste momento, quem sabe,
Eu pedisse que os nossos rumos jamais se separassem
Se depois os teus braços me envolvessem
E nesse abraço o teu amor me desses
Talvez o próprio Deus me entendesse
E neste instante vida, "Ele" parasse.


(Maktub) 

Saudade






"Saudade não se teoriza, se sente.
É presença da ausência.
Mas há saudade e saudade.
Saudade cruel e saudade doce, boa.

A saudade cruel é aquela do que está longe.
Do que vislumbramos, conhecemos até, mas não temos dentro de nós.
Essa dói, machuca, tira o sono, maltrata, rouba o riso, modifica o olhar,entristece. Mas não é saudade, de fato, é falta.
Falta do que, ou de quem não se tem.
Falta, é o verbo que tem cheiro de vazio, é lacuna; saudade é substantivo que se transforma em advérbio de intensidade, intensidade o sentir.

É sensação, é plenitude, é lembrança.
E somos afortunados.
Não há em outra língua verbete para traduzir esse sentimento.

Saudade boa, saudade, saudade, essa é doce.
Dói? Dói sim, mas não é cruel, é uma dorzinha boa de se sentir, leve, que enche o peito, faz sonhar, sorrir, elevar o olhar para o passado, gera suspiros e é, como afirmei, presença da ausência.
Nada torna mais presente o que está ausente do que sentir saudades. Saudade é vida. Só morremos quando esquecidos, quando não somos mais ausentes em ninguém e isso quer dizer que não existimos mais em nenhuma memória. Saudade boa é consciência de algo ou alguém.

Não sentimos nunca saudades do que não nos emocionou, provocou sorrisos, prazer, amor, êxtase, sentimentos verdadeiramente bons. E as músicas, os poemas, os textos, as canções, não servem para outra coisa a senão para traduzir o que não conseguimos definir; para falar por nós, ratificar o que sentimos.
Então, se por acaso lhe vem à mente uma música antiga ou atual, brega ou moderna, se uma paisagem ou um céu estrelado, uma imagem do passado ou de alguém, lhe surgir na mente; ou se um trecho de um poema, de um texto qualquer, lhe provocar um suspiro, e de repente você sentir saudades. Não se espante, nem se entristeça.
Aproveite. Agora se alguém disser que sente saudades de você, comemore duplamente.

Triste é não ter do que ou de quem sentir saudades.
E mais triste ainda é não deixar saudades em ninguém!"

domingo, 20 de maio de 2012

Os dois em Silêncio





(J.G. de Araujo Jorge)

E então ficamos os dois em silêncio, tão quietos 
como dois pássaros na sombra, recolhidos 
ao mesmo ninho, 
como dois caminhos na noite, dois caminhos 
que se juntam 
num mesmo caminho... 

Já não ouso... já não coras... 
E o silêncio é tão nosso, e a quietude tamanha 
que qualquer palavra bateria estranha 
como um viajante, altas horas... 

Nada há mais a dizer, depois que as próprias mãos 
silenciaram seus carinhos... 
Estamos um no outro 
como se estivéssemos sozinhos... 

sábado, 19 de maio de 2012

Ausência




Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.

(Carlos Drummond de Andrade)

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Amor a mim Mesmo





Não... Eu não estou querendo viver uma paixão arrebatadora
- Paixões assim são as que proporcionam os mais altos sonhos
E também as maiores quedas...
Mas, acredite, eu sou capaz de me apaixonar todos os dias!

E também não estou interessado em encontrar quem me ame de verdade
Já encontrei estas pessoas há muito tempo
E aquelas que não estão ao meu lado
Eu carrego comigo, em meu peito.

Ah, eu também não estou querendo viver um grande amor
Eu vivi todos os amores que a vida me trouxe
E foram lindos
Foram maravilhosos
E ainda são grandes amores, e vivem comigo, mesmo que já se tenham passado

Também não estou procurando alguém para toda a vida
Nem procuro alguém para um pouquinho apenas
Não estou procurando absolutamente nada

Neste momento, apenas retraio-me comigo,
E estou descobrindo o prazer e a felicidade enorme que é
Amar mais e melhor a mim mesmo.

(Augusto Branco)

domingo, 13 de maio de 2012

Guarda Estes Versos





(Machado de Assis)

Guarda estes versos que escrevi chorando
Como um alívio à minha soledade,
Como um dever de meu amor; e quando
Houver em ti um eco de saudade,
Beija estes versos que escrevi chorando.

Único em meio das paixões vulgares,
Fui a teus pés queimar minh’alma ansiosa,
Como se queima o óleo ante os altares;
Tive a paixão indômita e fogosa,
Única em meio das paixões vulgares.

Cheio de amor, vazio de esperança,
Dei para ti os meus primeiros passos;
Minha ilusão fez-me, talvez, criança;
E pretendi dormir aos teus abraços,
Cheio de amor, vazio de esperança.

Refugiado à sombra do mistério,
Pude cantar meu hino doloroso;
E o mundo ouviu o som doce ou funéreo
Sem conhecer o coração ansioso,
Refugiado à sombra do mistério,

Mas eu que posso contra a sorte esquiva?
Vejo que em teus olhares de princesa
Transluz uma alma ardente e compassiva,
Capaz de reanimar minha incerteza;
Mas eu que posso contra a sorte esquiva?

Como um réu indefeso e abandonado,
Fatalidade, curvo-me ao teu gesto;
E se a perseguição me tem cansado,
Embora, escutarei o teu aresto,
Como um réu indefeso e abandonado.

Embora fujas aos meus olhos tristes,
Minh’alma irá saudosa, enamorada,
Acercar-se de ti lá onde existes;

Ouvirás minha lira apaixonada,
Embora fujas aos meus olhos tristes.

Talvez um dia meu amor se extinga,
Como fogo de Vesta mal cuidado,
Que sem o zelo da Vestal não vinga;
Na ausência e no silêncio condenado,
Talvez um dia meu amor se extinga.

Então não busques reavivar a chama,
Evoca apenas a lembrança casta
Do fundo amor daquele que não ama;
Esta consolação apenas basta;
Então não busque reavivar a chama.

Guarda estes versos que escrevi chorando,
Como um alívio à minha soledade,
Como um dever do meu amor; e quando
Houver em ti um eco de saudade,
Beija estes versos que escrevi chorando.
(Do livro “Crisálidas”)

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Hoje eu Queria



Hoje me deu vontade de escrever
Escrever não sei o quê, mas pra você

Hoje me deu vontade de te abraçar
De me perder em teus braços
De me envolver em abraços

Hoje me deu uma grande saudade
Uma enorme vontade
De me fundir em você

Hoje me deu um imenso desejo
De te amar

De me soltar

Hoje eu queria você
Queria viver somente com você,
Por você...

Hoje eu só queria teu calor
E me entregar ao cansaço
De uma noite de amor

Hoje eu queria ver teu rosto
Sentir o suor no teu corpo esgotado de amar
Hoje eu só queria dizer...

Que te quero muito!!!
Quero sentir seu corpo quente sobre o meu,
suas mãos me acariciando, seus beijos, seu desejo....

VOCÊ!

(Paulo Fuentes)

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Me Ajuda a ser bom


(Pablo Neruda)

Cais, às vezes, afundas
em teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa cólera,
e mal consegues
voltar, trazendo restos
do que achaste
pelas profunduras da tua existência.

Meu amor, o que encontras
em teu poço fechado?
Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?

Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.

Não me temas, não caias
de novo em teu rancor.
Sacode a minha palavra que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada com um instante duro
e esse instante será desarmado em meu peito.

Radiosa me sorri
se minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como em contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.

Dá-me amor, me sorri
e me ajuda a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Ouça o seu Coração



Ao ouvir seu coração, preste atenção ao recado,
pode ser que você tenha deixado de lado,
atitudes que valorizam a sua própria vida,
empurrando o destino para outras mãos,
abrindo caminho para o sofrer.

O coração responde de maneira discreta,
diferente da razão que grita e ordena,
o coração permite nossas viagens,
a construção de sonhos e até de castelos na areia,
porque sabe que muitos precisam dessa chama dos sonhos,
mesmo que as ondas venham derrubar o castelo,
ainda assim, resta a imagem do que é a felicidade.

Todos que experimentam, mesmo que por apenas um dia,
o amor e a conquista de um sonho, jamais esquecem,

é como doce que comemos na infância, é suave lembrança,
é meta que vira objetivo, é caminho que forma o destino.

Por isso, ao ouvir seu coração, preste atenção,
ele pode querer dizer: ame com paixão,
viva com intensidade, respeite-se sempre,
mas, nunca deixe de sonhar e acreditar,
sempre é tempo de recomeçar,
e ser feliz...

(Paulo Gaefke)

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Não sei se Voltas




Não sei se voltas, mas como
gostaria que voltasses.


Passastes por minha vida como um cometa,
destes cheios de brilho,
que enchem-nos o olhar de beleza, mágica e
poesia.

Não sei se voltas,
mas como disso eu gostaria
,
e enquanto não voltas,
visito o lugar onde te encontrei
como quem vem
olhar o céu,
mirando ao longe,
na esperança de ver o brilho do cometa outra vez...
(Augusto Branco)

domingo, 6 de maio de 2012

O Melhor Amor do Mundo



"DEUS talvez cansado de me ver chorar sozinha,
e sabendo que era por tanta decepções,
por tanto acreditar em pessoas e elas falharem,
Ele olhou para meu íntimo
e viu o quanto eu precisava
de alguém para dividir tristeza,
compartilhar bençãos, somar sonhos...
Então em sua enorme demonstração
de amor e cuidado com a minha felicidade,
Ele olhou do céu
e procurou alguém para me presentear,
e DEUS como Ele é PAI, Ele sempre
dá o melhor, a prova é você!
Para mim você é o melhor AMOR do mundo,
presente do meu PAPAI DO CÉU,

e hoje eu sei que, DEUS não tira o que já nos deu,
se perdemos, a culpa é nossa por não cuidarmos...
À você AMOR, só desejo algo,
que eu seja tão especial, quanto você é para mim!!!
AMOR, você é um presente Dele."

sábado, 5 de maio de 2012

O Homem que Amo é Você





"O homem que amo traz na alma
a essência do amor
Tem nos lábios palavras
que me encantam e sabe
me acalmar, acalentar e
ao mesmo tempo incendiar…
O seu toque transcende a distância
e me faz amá-lo… amá-lo e amá-lo…
O homem que eu amo tem a cumplicidade
que tanto preciso, nos teu atos.
Me encanta a cada anoitecer e
me faz a cada amanhecer,
querer mais e mais estar com você…
O homem que amo é você…
minha vida… minha razão de viver…"

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Solidão




(Fernando Pessoa)

"Deus costuma usar a solidão
Para nos ensinar sobre a convivência.
Às vezes, usa a raiva para que possamos
Compreender o infinito valor da paz.
Outras vezes usa o tédio, quando quer
nos mostrar a importância da aventura e do abandono.
Deus costuma usar o silêncio para nos ensinar
sobre a responsabilidade do que dizemos.
Às vezes usa o cansaço, para que possamos
Compreender o valor do despertar.
Outras vezes usa a doença, quando quer
Nos mostrar a importância da saúde.
Deus costuma usar o fogo,
para nos ensinar a andar sobre a água.
Às vezes, usa a terra, para que possamos
Compreender o valor do ar.
Outras vezes usa a morte, quando quer
Nos mostrar a importância da vida" 

quinta-feira, 3 de maio de 2012

SAUDADE DE AMOR






Saudade não se teoriza, se sente.
É presença da ausência.
Mas há saudade e saudade.
Saudade cruel e saudade doce, boa.

A saudade cruel é aquela do que está longe.
Do que vislumbramos, conhecemos até, mas não temos dentro de nós.
Essa dói, machuca, tira o sono, maltrata, rouba o riso, modifica o olhar,entristece. Mas não é saudade, de fato, é falta.
Falta do que, ou de quem não se tem.
Falta, é o verbo que tem cheiro de vazio, é lacuna; saudade é substantivo que se transforma em advérbio de intensidade, intensidade o sentir.

É sensação, é plenitude, é lembrança.
E somos afortunados.
Não há em outra língua verbete para traduzir esse sentimento.

Saudade boa, saudade, saudade, essa é doce.
Dói? Dói sim, mas não é cruel, é uma dorzinha boa de se sentir, leve, que enche o peito, faz sonhar, sorrir, elevar o olhar para o passado, gera suspiros e é, como afirmei, presença da ausência.
Nada torna mais presente o que está ausente do que sentir saudades. Saudade é vida. Só morremos quando esquecidos, quando não somos mais ausentes em ninguém e isso quer dizer que não existimos mais em nenhuma memória. Saudade boa é consciência de algo ou alguém.

Não sentimos nunca saudades do que não nos emocionou, provocou sorrisos, prazer, amor, êxtase, sentimentos verdadeiramente bons. E as músicas, os poemas, os textos, as canções, não servem para outra coisa a senão para traduzir o que não conseguimos definir; para falar por nós, ratificar o que sentimos.
Então, se por acaso lhe vem à mente uma música antiga ou atual, brega ou moderna, se uma paisagem ou um céu estrelado, uma imagem do passado ou de alguém, lhe surgir na mente; ou se um trecho de um poema, de um texto qualquer, lhe provocar um suspiro, e de repente você sentir saudades. Não se espante, nem se entristeça.
Aproveite. Agora se alguém disser que sente saudades de você, comemore duplamente.

Triste é não ter do que ou de quem sentir saudades.
E mais triste ainda é não deixar saudades em ninguém!

(Maktub)

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Te Amar





"Te amei: era de longe que te olhava
e de longe me olhavas vagamente...
Ah, quanta coisa nesse tempo a gente sente,
que a alma da gente faz escrava.

Te amava: como inquieto adolescente,
tremendo ao te enlaçar, e te enlaçava
adivinhando esse mistério ardente
do mundo, em cada beijo que te dava.

Te amo: e ao te amar assim vou conjugando
os tempos todos desse amor, enquanto
segue a vida, vivendo, e eu, vou te amando...

Te amar: é mais que em verbo é a minha lei,
e é por ti que o repito no meu canto:
te amei, te amava, te amo e te amarei!"
Dá pra resistir amar um poeta que sabe traduzir
tão bem nossas mais íntimas emoções?

JG de Araujo Jorge )

"Um abraço proveniente de um grande amor é capaz de atravessar os tempos e descansar na eternidade"