quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Encanto, Desencanto e Esperança




O amor é forte, é como a morte.
As águas da torrente jamais poderão apagar o amor, nem os rios afogá-lo.
(Ct 8,6)

No Desencanto, tive extremo cansaço, fragilidade física e mental...

No Encanto, recebi flechadas do amor e na Esperança, flechadas divinas lançadas do céu.

A força do amor é irresistível!

Estamos em 20 de Novembro de 1961.
Vivo momentos de verdadeira felicidade.
Minha intenção voltada para um plano muito florido, um verdadeiro jardim de rosas...
Estou relendo, neste momento, a sua primeira cartinha, como é bom rever aquele: "Amigo José".
Foi escrita no dia 5 de Fevereiro de 1960; dois dias depois de nosso mais lindo dia, pela importância; origem de tudo.
"O exterior revela o interior do indivíduo".
Uma grande verdade, ressalvadas as exceções.
"Mas a vida sem luta não tem valor".
Quanta verdade encerra esta frase.
Em nosso caso, justiça seja feita, estamos tendo dolorosa luta e sofrimento muito.
Nosso prêmio há de ser muito bom. Tenho fé.
Esperei essa primeira missiva com ansiedade e certeza.
Não sei em que confiava, entretanto, para mim, era certo.
Já surgia a preocupação de coisas bonitas, de paisagens mais bonitas. O fator mais importante foi o revertério, o milagroso revertério: combinar correspondência para melhorar o Português e não falamos nisso, trocando pelo amor; amor nascido com força naquele instante sagrado.
Foi lindo, meu amor.
Quanta modéstia: "Bem, por hoje, vou limitar, pois seu tempo é precioso e não poderá perdê-lo comigo."
Isso, de acordo com a paixão: sim Maria, verdadeira paixão, que vivia em mim, foi um verdadeiro convite ao amor.
Foi como que uma espécie de "isca", lançada por uma moça esperta, para agarrar seu pretendido futuro marido.
Gostei porque era o desejado por mim.
Agora, meu amor, depois de tanto sofrimento, sentimos ter valido a pena.
"Saudações da amiga" Maria.
Veja, nem seu nome sabia.
Minha intenção, por incrível que pareça, era a de voltar à sua procura...
Vê!...
Assim, está comentada a primeira carinha, à base de todo este grande amor.
Que esta base seja perpétua, sei, são nossos desejos ardentes...
"Sim, nasceu para nós uma segunda parte."
A minha foi de tal forma empolgante que só a Primavera em flor pode bem expressar meu sentimento de felicidade, Maria.
Aqui, com estas palavras, transmitia-lhe o meu amor. Tenho a certeza de que você percebeu.
A sorte estava lançada.
Fiquei também muito entusiasmado e esse fulgor que me invadiu a alma adormecida, procurarei guardar armazenado para, em futuro não distante, transmitir-lhe com todo o resplendor, como a luz, como o sol que dá viço a tudo; iluminando e aquecendo nossa mãe terra.
"Há uma outra vida à sua espera, meu amor, muito longe mesmo. O longe está agora tão pertinho."

(Continua)...

Nenhum comentário:

Postar um comentário