segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Anseio do Amor




No anseio pelo amor já está o amor.

(Saint Exupèry)



Leio agora uma carta muito duvidosa, porém, merecedora de toda a minha estima. O seu medo em decidir-se; o seu desejo de subir ao altar; ser noiva, usar o véu e grinalda e receber a bênção de Deus para, então, constituir com seu marido mais um lar cristão. Muito bem, querida Maria, esse gosto, graças a Deus, não demorará muito, está por dias. E vem então o um período importante: "Confesso que o melhor presente que meu futuro esposo poderá oferecer-me é a delicadeza, a compreensão". 

Pergunto-lhe, minha querida noiva: que acha dessas duas qualidades em mim?
Você espera de mim esse presente?
Mais adiante, discorrendo, mas, ainda não concretizaram bem o fato.
"Eles não se cansam de aconselhar-me."
"Minha filha (Que lindo!), pela carta dele, pelos sentimentos expressos em carta, ele é um bom rapaz, mas vamos esperar outras provas."
Querida Maria, quem usa de sinceridade, pensa sempre já haver dado tudo, em determinadas situações, entretanto, há recursos imensos nas boas almas.
Você me pôs entre a "cruz e a espada" e eu me esforcei até que você passou a acreditar.
Com sofri para provar...
Acho que estou tentando provar até hoje.
O nosso enlace tirará as dúvidas?
Certamente!
Sua cartinha terminou lindamente: "e cada dia que o crepúsculo da noite chegar, sintamos mais próxima a nossa felicidade."
Bravo!

(Continua)

Um comentário: