sexta-feira, 28 de março de 2014

Escritos da Alma


Este pequeno trabalho, todo dedicado ao nosso amor, vai chegando ao término.
Sinto-me recompensado do esforço despendido.
Estava em meu pensamento a fazer-lhe uma surpresinha: entretanto, como o conseguiria?....
Arrojar-me, entusiasmado, nestes escritos, que já atingiram a página oitenta e nove do caderno destinado à homenagem singela, mas de todo o coração, que almejei oferecer-lhe. 
É meu desejo alcançar a última página deste manuscrito, a de número noventa e seis.
Tenho-me dedicado quase todos os dias um pouquinho, na confecção desta obrinha; dar-me-ei por venturoso, se ela chegar ao ponto para o qual está sendo elaborada.
Foi para a felicidade de minha noiva que me surgiu a ideia de tal empresa. 
Fizemos um passeio espiritual e revimos todo o nosso relicário. Estou satisfeito, feliz mesmo.
Espero, neste momento, a ventura de jamais ofendê-la no amor próprio, dignificando-a no grau que merece, por toda a nossa existência. 
Isto, junto do mesmo amor, curtido há muito tempo por vidas num ritmo harmonioso e cheio de paz.
Graças a Deus, não tenho dúvidas a seu respeito; consegui ler sua alma. 
Vou lutar pela nossa harmonia conjugal  porque sei do manancial existencial em nosso poder.
Seremos felizes. 
Olhando bem, procurando direitinho no baú que conduzimos até aqui, sentindo a verdadeira razão porque devemos confiar em nosso futuro, no futuro preparado pela Providência Divina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário