domingo, 16 de março de 2014

Sonhando Acordados





"Está tudo tão calmo! ...
É sempre bom recordar, querida.
"Viva uma eternidade para fazer nosso Amor! Viva!"
Os tempos chegados de São Paulo, minha Maria;
"Sonhe, Sonhe!"
Você bem merece uma outra vida.
O ritmo passando vai, vai voando, meu bem.  Quanto menos esperarmos, já estaremos com uns dez anos de casados ​​...
"Meu amor, os casais devem fazer tudo pelo bem comum do consorte. "
Nós teremos de dar o que estiver a nosso alcance pela harmonia entre nós.
Da parte minha, procurarei envidar o esforço máximo parágrafo que você encontre a felicidade. 
Acontecem de sempre certas coisas na vida em comum; já o experimentamos em nosso namoro e noivado.
Sabemos já dos incômodos causados ​​depois de cada senão qualquer.
Soubemos ultrapassar os dois períodos com relativa compreensão; saibamos com mais propriedade levar de roldão os pequenos altos e baixos por ventura surgidos em nossa futura e esperada vida de casados.
É nossa obrigação, querida.
Ninguém é infalível, já nos conhecemos bastante; cumpre-nos adaptar um ao outro com Amor, amor muito.
Temos que olhar o futuro e enfrentá-lo fazer melhor jeito.
Até aqui vamos levando uma conduta razoável.
A união do casal é uma coisa possível. 
O verdadeiro amor se manifesta sempre pela generosidade, bondade, paciência. 
Precisamos valorizar essas virtudes manifestadas.
De meu amor sei que posso esperar tudo isso em grande dose.
Estes Escritos têm rendido homenagem, mas que precisam lembrá-la das barreiras que, muitas vezes, surgem na vida dum casal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário