sábado, 21 de junho de 2014

Quem Amo



Quem amo não existe
Vivo indeciso e triste
Quem quis ser já não me esquece
Quem sou não me conhece.

Dói viver, nada sou que valha ser
Tardo-me porque é tudo  ruim

Tudo é incerto e derradeiro,
Tudo é disperso, nada é inteiro.

Toca na noite uma flauta
É de algum Pastor?
Que  importa? Perdida
Série de notas vagas e
Sem sentido algum,
Como a vida.
(Fernando Pessoa)

3 comentários:

  1. Boa tarde Roselia..uma bela escolha.. Fernando Pessoa foi um mestre nas letras realmente.. que possamos antes de amar alguém amar a nós mesmos profundamente.. bjs e até sempre

    ResponderExcluir
  2. Voltando Roselia..vi seu ebook digital..
    poderia me dizer se tem muita busca na amazon?
    estou para concluir a conta e quero postar meus livros nela.. mas estou com receio quando as informações fiscais que pede para concluir a conta..
    isso é necessário.. se puder me dar uma explicada como finalizou a sua agradeço.. bjs e até sempre

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Rosélia.
    Um poema muito bonito.
    A vida tem sentido, basta vivermos sem a preocupação desmedida do desamor.
    Tenha um domingo de paz!
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir