sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Por acaso (I)


"Nem por toda a beleza
Deixar-me-ei perder,
Mas somente por um não sei o quê
Que se alcança por acaso
O sabor de um bem acabado
O máximo que ele possa fazer
É enfastiar o apetite
E estragar o paladar;
Assim, nem por toda a doçura
Deixar-me-ei perder
Mas somente por um não sei o quê
Que se alcança por acaso."

Um comentário: