segunda-feira, 20 de julho de 2015

Louvor à Esposa




Tua face é tão suave em minhas mãos
É jovem, é delicada, é frágil
Querida face sensível que se emociona, e treme
Como a erva do campo.
Tua voz, ó bem amada, é a primavera e que canta
Ó grande amor que docemente, se aproxima
É um bálsamo que se espalha, o incenso que sobe.

Teu coração é uma hóstia ofertada ao império
Do Bem essencial
O Tabernáculo ardente das minhas beatitudes,
Um lago de frescor no deserto.

É um astro de fogo e de chamas,
No céu leve e sereno de tua carne
É um hino de suspiros e de lágrimas
Um vergel, um jardim puro e claro.

Teu espírito – aos pés da Sabedoria
Se instrui cada dia humildemente
Conhece-lhe os segredos, os abismos,
O gosto da vinha e do trigo.

Não digas que o amor é cego, ele tem os olhos do Eterno
Não temas seu olhar criado, a  juventude da águia.
Revive  ao céu.

O Deus dos corações – apagados amor
A poeira e as marcas do tempo
E te levar sem ruga e sem mancha, do amor
Ao Amor sem declínio.



Nenhum comentário:

Postar um comentário