quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Considerações Sobre o Amor (I)



(Hadewijch d'Anvers)

Que Deus esteja convosco e vos dê
Verdadeiro conhecimento dos costumes do Amor!
Que Ele vos faça vivenciar o que significa
A palavra de Esposa do Cântico;
“Eu  sou do  meu Bem Amado e Ele é meu.
Que as abandonaria (abandonasse) com Ele ao Amor
Faria do Amor perfeita conquista
Espero que isso vos aconteça, e, enquanto tivemos,
Agradeçamos todas as coisas ao Amor!
Quer saborear este Amor verdadeiro
Na procura ou na descoberta,
Não deve seguir seu caminho nem vereda
Vagueando à procura de vitória do Amor,
Por montes e vales, além
Das vãs consolações, das penas, das tormentas,
Fora dos caminhos do pensamento humano,
O poderoso cavalo do Amor o carrega.
Para a razão não pode compreender
Como o Amor, para o Amor, vê o íntimo
Da Amada,
E como  vive livre em cada coisa
Ah! Quando a abre chega
A essa liberdade que dá o Amor
Ele não poupa nem vida nem morte,
Ele quer o Amor, ela não deixa por menos.
Porque, sendo absolutamente simples, Ele, de  modo algum,
Tem partes...


Não tendo superfície por sua própria natureza. 
Ele está, portanto, determinado a ocupar um lugar qualquer, grande ou pequeno, como se Ele deve não devesse, necessariamente, estar localizado em qualquer  parte. Ele que existiu desde toda eternidade, quando ainda não havia nenhum lugar. 
Mas, graças à infinitude de sua potência Ele atinge tudo  que está localizado, sendo a causa universal do ser. 
Assim, Ele está todo inteiro em qualquer lugar onde Ele se encontre, porque Ele alcança todas as coisas pela sua força que é muito simples.

Nenhum comentário:

Postar um comentário