sexta-feira, 27 de março de 2015

Por acaso (VIII)


Quem pretende possuir ainda mais
Coloca sua preocupação, sobretudo
No que resta a ganhar
E no que já está ganho;
Assim, para alcançar algo mais elevado
Sempre hei de tender
Além de todas as coisas
Por um não sei o quê
Que só se alcança por acaso.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Por acaso (VII)


Não acreditem que o interior
Que é de preço muito mais elevado
Encontra contentamento e alegria
No que agrada neste mundo
Mas para além de toda beleza
E o que é, foi e será,
Ele saboreia aí um não sei o quê
Que só se alcança por acaso.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Por acaso (VI)


Portanto, é o que vocês amam
Digam-me se sofreriam
Uma vez que seu gosto não se encontra
Em nenhum ser criado
Mas em algo sem forma corporal
E que não encontra apoio nem pé
Saboreando aí um não sei o quê
Que só se alcança por acaso.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Por acaso (V)


"Com efeito, quando a vontade
É atingida por ser divino
Ele não pode manter-se
Senão por ser divino
Na sua beleza sendo tal
Que não é possível vê-la a  não ser pela fé
Ela a saboreia em um não sei o quê
Que só se alcança por acaso."