segunda-feira, 12 de junho de 2017

Desencanto (II)






Encanto quebrado, 
Coração esmagado
Pelo poder do mal ...
Desencanto das perdas....

Em memória, me desfaleço,
Num só compasso...
Adormeci como a Adormecida
Por um tempo indeterminado,
A dor da lida foi intensa,
Dilacerou minha alma... 
Nada me alegra e acalma...

Lágrimas sem fim...
Como rios ou cachoeiras,
Escorriam pela minha face,
Haja Força em mim!

A dor de um coração solitário, 
São como a morte, e o não amar,
Nem ser amada...
Dor que rasgou meu peito,
Consumiu minha alma...

Meu coração, numa caixinha,
Ficou trancado à sete chaves...
Trancafiado,
Nada podia mais lhe afetar...

Sem embargo,
Conservou-me  Deus o Amor bonito,
Dentro de um cofre lacrado...
Só para Ele doado...

Que dor  intensa, outrora ia sentindo!
Desencanto quase superado...


Um comentário:

  1. Lindo demais com alguma tristeza,querida amiga Rosélia. Essa dor será,com o tempo,eliminada! Gostei do final onde diz: "desencanto quase superado".Sinal de que ele irá embora de vez,pois a vida está aí para ser vivida com felicidade!

    Beijos sabor carinho e uma segunda-feira de bênçãos

    Donetzka

    ResponderExcluir